Chamada de Artigos

Vincenzo Cammarata's picture

CHAMADA DE ARTIGOS

A chamada de artigos para a Revista Terceiro Milênio está aberta até o dia 30 de junho de 2018.

 As contribuições serão aceitas em português e espanhol.

 

Volume 10, número 01, janeiro a junho de 2018

Dossiê: “Poéticas decoloniais:vozes silenciadas irrompem na cena”

http://www.cappuccinopress.com.br/index.php/revistaterceiromilenio

 

A Revista Terceiro Milênio abre chamada de artigos para o dossiê temático “Poéticas decoloniais: as vozes silenciadas irrompem na cena”, a ser publicado com datação primeiro semestre de 2018. Este número contará com artigos e resenhas que tragam no bojo de suas discussões narrativas decoloniais, onde Caliban prosperus ou homens e mulheres subalternizados manifestem formas outras de ser/estar no mundo. Interessam-nos textos que trabalhem a literatura na perspectiva Sul/Sul, que questionem as epistemologias hegemônicas a partir do ponto de vista de pensadores e pensadoras, artistas, leitoras e leitores do sul global. Acreditamos que a literatura decolonial pode quebrar, pluralizar, descolocar e fazer a diferença ao ampliar as possibilidades de imaginação política e os processos de criação artística.  As manifestações de novos lugares de escuta e de fala (Djamila Ribeiro) descontroem espaços “autorizados”, privilegiados e de autoridade, ao passo em que visibilizam experiências e falas marginais dos musseques, favelas, ruas, vielas, e dos territórios fluidos, não urbanos, fronteiriços ou em deslocamento.

Ademais, esta edição incluirá artigos que vertam na análise de registros linguísticos, formas gramaticais e aspetos sociolinguísticos que descrevam as minorias silenciadas, além de trabalhos que investiguem certos estilos narrativos e/ou formas de saber ligados a culturas e etnicidades que têm sido marginalizadas até hoje, não só dentro de certos contextos (pós)coloniais, mas também dentro de sociedades que não se ressentem dessa herança colonial. Os temas e as narrativas, oriundos de certas realidades excluídas de (ou estereotipadas por) círculos acadêmicos eurocentrados ou norte-americanizados, encontram aqui um espaço privilegiado por rediscutirem o conceito do “saber'” enquanto uma ecologia de saberes (Sousa Santos),  ampliando assim seu sentido tradicional. Da mesma forma, desconstroem conceitos como poder, resistência e até o próprio conceito de literatura/arte. Desse modo, abordam perspectivas que rompem com as nomenclaturas dadas pelas culturas majoritárias, cuja episteme continua a afetar a formação educativa e a percepção das sociedades em geral.

Buscamos, portanto, textos que se proponham a pensar a escrita como um meio poderoso de formação de subjetividades e de imaginários coletivos, bem como de estruturação de identidades obliteradas pelas sociedades marcadas pelo veredicto dos valores ocidentais, de modo a enfrentarem o campo de batalha entre narrativas. Finalmente, serão aceitas tanto discussões sobre obras que manifestam pontos de vistas e lugares de fala marginalizados quanto discussões sobre obras que estão dentro das narrativas hegemônicas, mas onde estas são interrogadas a partir de outras perspectivas críticas e de cosmovisões não hegemônicas.

A edição, embora focada no âmbito literário, é pensada como um espaço de troca interdisciplinar, combinando saberes e competências numa via de desconstrução das barreiras entre disciplinas que são fruto de uma visão do saber colonizador.